Coca-Cola | Segmentação

Pessoalmente não sou muito de consumir refrigerantes, mas que tenho que dar o braço a torcer para a Coca-Cola Company, isto eu tenho. Aquele ditado, dos tempos de nossos avós, que minha queria avó muito me disse “quem não tem cão, caça com gato, meu filho” está sendo posto em prática com maestria por esta empresa. Se o dinheiro da classe rica diminuiu, vamos em direção a quem não sente tanto a crise, devem ter pensado os gestores da companhia.

A Coca-Cola Company Brasil anunciou que investirá R$ 1,75 bilhão em 2009, um crescimento de 16,6% em relação ao ano passado. Sem revelar o valor referente ao Marketing, a companhia anunciou que esta área também terá um aumento de investimento em uma proporção semelhante. A companhia também revelou um crescimento de 7% no volume de vendas em 2008, com um total de 9 bilhões de litros de bebidas produzidas e um faturamento de R$ 15 bilhões em 2008.

Na América Latina, a empresa apresentou um crescimento de 8%, enquanto que globalmente as vendas subiram 5% no ano. No último trimestre do ano, pico da crise, foram 7% a mais de vendas em território brasileiro, enquanto que na América Latina registrou 6% e, mundialmente, 5%.

Apesar de afirmar que a crise ainda não afetou muito o Brasil e a empresa, Xiemar Zarazúa, presidente da Coca-Cola Brasil, afirma que este será um ano desafiador e que vê a classe C como um bom foco neste momento. “Temos plena confiança de crescimento este ano. A maioria de nossos planos leva em conta a classe C, um segmento que acredito que continuará crescendo em 2009”, afirma, durante coletiva de imprensa.

Marca ainda vê muito potencial no Brasil
Entre os sucessos conquistados, a empresa comemora a participação de 15% no mercado de bebidas isotônicas em apenas seis meses com o lançamento do i9 e as boas vendas do Laranja Caseira, suco da marca Minute Maid lançado pela companhia no final de 2007. “A marca vai muito bem, obrigado. Nunca esteve melhor. E ainda temos muito potencial para crescer, uma vez que temos metade da população que ainda não bebe os refrigerantes da marca com freqüência”, conta Ricardo Fort, Diretor de Marketing da Coca-Cola Brasil.

Apesar de ser o terceiro principal mercado da Coca-Cola, atrás do México e Estados Unidos, o consumo per-capita no Brasil ainda é consideravelmente menor do que em países como Chile e Argentina. Para 2009, Fort afirma que pretende voltar com a ação Estúdio Coca-Cola, que em 2008 utilizou a marca Coca-Cola Zero. Para esse ano, a estratégia de comunicação ainda está sendo definida, mas deverá ser bastante diferente em relação às outras duas versões do projeto.

A área de branded content e co-branding, aliás, é um dos focos que a empresa mais tem interesse em investir esse ano, já que vem acumulando diversos sucessos além do Estúdio Coca-Cola, como o celular feito em parceria com a Nokia. “O mix de mídia varia de lugar para lugar. O ponto-de-venda continuará sendo também um espaço importante, mas a televisão e a mídia on-line são os que dão retorno mais rápido”, explica Fort. Quanto a nova campanha global “Open Happiness” da Coca-Cola lançada no início do mês nos Estados Unidos, que vocês já puderam presenciar no nosso humilde recinto.

A companhia destaca ainda as ações de sustentabilidade apoiadas pela empresa, como as reformulações em embalagens que permitiram uma economia na produção de garrafas ou redução no consumo de água. A Coca-Cola Brasil reforçou ainda a marca Kuat com o lançamento de Kuat Eko, refrigerante de guaraná misturado com chá verde.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s