Tim | Dia dos pais

A Tim lançou sua campanha para dia dos pais de uma forma diferente, pelo menos sob uma ótica diferente. Na campanha, a TIM resolveu homenagear outra pessoa que não um pai, bem, pelo menos não no sentido biológico da palavra. Em quase dois minutos, uma história bem contada. Veja e confira quem a operadora resolveu homenagear. A criação é da McCann Erickson, com produção da Sentimental.

Além dessse vídeo também há uma promoção para o dia dos pais. Veja nos vídeos abaixo:

Anúncios

Pão de Açúcar | Nova Logo

1372009113524pa_notaComo o meio publicitário já está todo antenado  e falando sobre o assunto, não poderia ficar de fora. Agora é oficial.

O Grupo Pão de Açúcar está de logo nova. Na próxima quinta-feira, 16, o Grupo Pão de Açúcar lança seu novo logotipo e a reformulação na identidade visual das 145 lojas da rede. Com mais de 60 anos de atuação, essa é a sexta vez que a companhia muda o visual. A transformação foi baseada em pesquisas realizadas com os consumidores nos últimos dois anos. A empresa investiu R$ 3,3 milhões em estudos e desenvolvimento da ação, que teve a alcunha da Futurebrand, ligada ao grupo McCann-Erikson em Londres.

Para anunciar a novidade, a agência do grupo, a PA Publicidade, desenvolveu uma campanha para dar continuidade ao conceito já apresentado anteriormente com a pergunta “O que faz você feliz?”. A partir de agora, a rede convida o consumidor a refletir sobre outras questões: “Quer fazer você feliz?”, “Quer fazer alguém feliz?”, “Quer fazer o planeta feliz?”.

As ações contemplam a veiculação de dois comerciais em TV aberta e fechada. Além disso, a campanha estará em jornais e revistas, peças em mídia online e anúncios em pontos-de-venda. Também serão distribuídas sementes de temperos para que os clientes plantem em suas casas. Agora a idéia é entrar de vez na era da sustentabilidade e associar a nova marca a essas práticas.

Como já ouvi comentários no meio dizendo que a marca está envelhecida, que a tipologia é fraca, que não irá se aplicar em impressos da mesma forma como fica no monitor, enfim, vários comentários acerca da mudança que o PA promoveu. E nossos colegas designers, o que pensam disso? Será que a marca está tão mal assim?

Fonte: Meio e Mensagem

Logo-PA-2009

McCann Erickson | Pesquisa

Após um trabalho inédito, realizado em parceria com o instituto Data Popular, a agência McCann Erickson identificou mudanças internas já cristalizadas e formatou um amplo estudo sobre tendências e demandas futuras do que hoje representa a classe emergente do Brasil.

Os resultados são provenientes de mil questionários aplicados nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre e Goiânia junto a casais com renda mensal entre R$ 1 mil e R$ 2 mil. A faixa etária pesquisada foi de 20 a 65 anos – 50% homens e 50% mulheres. Além deles, o estudo envolveu fontes secundárias, como, por exemplo, líderes comunitários e profissionais de marketing de redes de varejo, bem como as referências de acadêmicos.

“O objetivo da pesquisa é ampliar o conhecimento da McCann sobre a classe C brasileira, que representa o futuro do crescimento interno do País, ultrapassando o óbvio do que já se sabe sobre essa fatia para chegar além do que se vê. A pergunta é: qual é o horizonte?”, explica Aloísio Pinto, vice-presidente da McCann Erickson.

A classe C identifica diferenças claras de consumo entre sua classe, pobres, classe média alta e ricos. Tem ainda a consciência de que pode comprar, mas quer mais e melhor. Seu sentimento de exclusão deixa de estar ligado ao financeiro e atinge o comportamental. “O desejo prioritário da Classe C é hoje consumir sem preocupação e aprender a se comportar como classe média”, afirma Aloísio.

Auto-imagem peculiar
Pessoas de classe média baixa. É assim que parte considerável da amostra (47%) define-se atualmente. Têm a necessidade de priorizar os gastos, carregam sempre alguma pendência financeira, mas não sofrem a falta de alimentos, condição restrita aos “pobres”, na visão do público pesquisado. Ainda assim, 68% sentem-se desprezados pelos ricos e 55% declaram ser avessos a produtos comercializados em lugares considerados “chiques”. “É curioso perceber que a classe C deseja consumir mais, mas não demonstra a preocupação em mudar de classe”, afirma Aloísio.

Estabilidade econômica é prioridade
Quando o tema é projeto de vida, estabilidade econômica é o item que aparece com mais força: 82% dos entrevistados afirmam que ela é prioritária e que nem sempre está associada ao trabalho formal. Trocar a mobília da casa, reservar quantias maiores para o lazer da família e custear o ensino superior dos filhos também ocupam o topo dessa lista. “A preocupação com a educação dos jovens é expressiva quando o quesito investimentos é observado e o que também cresceu é o desejo dos próprios pais em concluir seus estudos”, afirma Aloísio.

Estrutura familiar em mutação
Ao passo em que a presença feminina no mercado de trabalho tornou-se mais forte na classe C, o papel da mulher na administração e na efetivação dos gastos do lar também cresceu. Atualmente, 80% dos homens e 76% das mulheres acham que elas também devem colaborar financeiramente. Esse cenário se modifica intensamente quando os filhos adolescentes entram em questão – eles estão menos engajados no mercado de trabalho. De acordo com 85% dos entrevistados, os jovens não colaboram com a renda familiar – 64% afirmam que eles apenas complementam os gastos do mês quando necessário e 75% acreditam que os jovens de hoje são mais consumistas.

Finanças: pouca informação
Entre contrair empréstimos junto a bancos ou financeiras e emprestar o “nome” de alguém próximo, 45% da amostra dão preferência à segunda opção. Apesar de 47% afirmarem já terem feito empréstimos bancários, 81% sentem vergonha ao fazê-lo e 91% apontam a burocracia como principal problema na obtenção do crédito no Brasil.

Alimentação e o desejo de consumir melhor
O arroz e o feijão são indispensáveis na mesa da Classe C – 78% consideram a combinação essencial. Tradicionais quando o tema é alimentação, o atributo mais valorizado é o poder nutritivo dos itens (38%), o que sinaliza o papel de bom pai ou boa mãe. Seguindo essa linha, 76% dos entrevistados declaram fazer sua principal refeição em casa; 82% consideram como nutritiva a comida preparada em casa; 67% procuram informação sobre nutrição e 76% pagam mais para ter uma alimentação mais nutritiva.

Homens mais vaidosos
A aparência está mais valorizada e a beleza masculina é agora considerada muito importante. A maioria dos homens declara usar creme para o corpo e 36% faz as unhas. Os dentes ganham maior preocupação: demandam investimentos de 87% dos entrevistados.

Entretenimento: foco em tecnológicos
Computador e DVD passam a fazer parte do entretenimento da classe C, respondendo por 58% e 57% da amostra, respectivamente. Formas de aliar segurança e diversão, os itens tecnológicos são utilizados por toda a família – 85% acham que o lazer une a família e 82% acreditam que equipar o lar com artigos tecnológicos aumenta o entretenimento e a diversão.

Dependentes de tecnologia
Quase 80% dos entrevistados acham que o computador é fundamental e que “não dá para viver sem ele”. Entre os casais mais jovens, 44% se declaram dependentes da tecnologia e para 61% da amostra a tecnologia é algo que contribui para o bem-estar da família. 83% dos pais estão empenhados em fazer a tecnologia chegar aos seus filhos, uma vez que se sentem responsáveis por esse acesso.

Comunicação: demanda por mais informação
A classe C quer mais informação na propaganda. Temas variados como nutrição, tecnologia, cartão de crédito e dicas de como falar ou se vestir são atrativos para a amostra. Artistas de origem modesta, no estilo “gente como a gente”, causam identificação, mas o discurso deve ter humor, preferido em relação às usuais lições de vida.

Marcas renomadas são fundamentais para a comida das crianças (71%); eletrodomésticos (70%); alimentos de casa (65%); carro (63%) e produtos de beleza (60%).
Fonte: McCann Erickson/ Data Popular